Visite nosso arquivo

DOENÇAS DA  HIPÓFISE

Glândula endócrina que se localiza na base do crânio, numa cavidade óssea situada atrás do nariz designada de sela turcica. Considerada como a “glândula mãe” de todo o nosso organismo, maestra de quase a totalidade de nossa produção hormonal, pode ser acometida por várias patologias. Tumores benignos (produtores de prolactina, aqueles que cursam com aumento de cortisol, Doença de Cushing) e sua hipofunçao (causando distúrbios de fertilidade, ciclo menstrual e hipotireoidismo) estão entre os distúrbios mais comuns.

PROLACTINOMAS

Os prolactinomas são tumores benignos da hipófise  que se caracterizam pela produção anormalmente elevada de prolactina (hiperprolactinemia). Este hormonio tem como principal efeito a estimulação da produção de leite pelas glândulas mamárias (galactorreia). São muito mais comuns na mulher do que no homem e se apresentarem dimensões inferiores a1 cmsão designados de microprolactinomas e se superiores a1 cmde macroprolactinomas. Geralmente as quantidades de prolactina no sangue estão relacionadas com o volume do prolactinoma.

Quando se afirma que os valores de prolactina no sangue estão elevados é importante recordar duas coisas:

1) A prolactina pode estar elevada e não haver nenhum tumor da hipófise. As causas mais frequentes desta situação são: a gravidez e amamentação, estimulação manual do mamilo, síndrome do ovário poliquístico, traumatismos do tórax, stresse, exercício, hipotiroidismo, insuficiência renal, insuficiência hepática, etc. Destacam-se os medicamentos que são uma causa frequente de hiperprolactinemia sendo os mais comuns: os anti-depressivos, ansiolíticos, contraceptivos orais (pílula), modificadores da função digestiva, etc;

2) Existem outros tumores da hipófise, que não são prolactinomas mas que também podem levar a uma elevação da prolactina, por outros mecanismos. É importante distinguir estes tumores dos prolactinomas uma vez que o tratamento geralmente é diferente;

 

Quadro clinico:

- Na mulher: galactorreia, amenorréia (falta de mesntruação) ou irregularidade menstrual, infertilidade, cefaléia, alteração visual;

- No homem: diminuição de libido, infertilidade, cefaléia, alteração visual.

 

TRATAMENTO

Em geral o tratamento de eleição para os prolactinomas é médico e não cirúrgico.

Os microprolactinomas como não têm tendência para crescer podem apenas ser vigiados. Esta atitude é mais frequente na mulher após a menopausa em que os ovários deixaram de funcionar normalmente. Na mulher jovem habitualmente devem-se tratar uma vez que a hiperprolactinemia inibe a função normal dos ovários e a consequente produção das hormonas sexuais femininas essenciais à função reprodutora e sexual e a uma boa calcificação dos ossos. Os macroprolactinmas devem ser sempre tratados pois têm tendência a crescer.

Nos últimos trinta anos foram introduzidos medicamentos que levam à diminuição da produção de prolactina e, mais importante ainda, à redução do volume do tumor. Estes medicamentos são designados de uma forma geral por dopaminérgicos (parlodel- bromocriptina e dostinex- cabergolina). Este tratamento é na maioria das situações muito eficaz mas deve ser encarado como um tratamento crónico. Leva ao retorno das menstruações na mulher e melhoria da fertilidade, da função sexual, das cefaleias e da visão em ambos os sexos.

  • Name (Obrigatório)

  • Email (Obrigatório, mas não será publicado)

  • Url (Opcional)

  • Comentário (Obrigatório)